CURIOSIDADES

Pão e o ofício de padeiro

Escrito por Eugênia Pickina
8 de julho de 2019

Desde sempre comemos. Por fome, desejo e memória. Sim, porque as lembranças do que comemos sentimentalmente seguem conosco, marcando-nos para sempre.

Aos fatos: na etapa em que estávamos crescendo, nossa mãe ou nosso pai cozinhava e nos instruía com certas comidas, estimulando hábitos e gostos, e tudo isso envolvido em uma mistura de prazer e lágrimas, pois também havia os dias difíceis com suas receitas apropriadas.

Sobre o pão?

Não há melhor coisa que um pão recém-assado, desfrutável em todas as estações, os dias frios e os dias lindos, azeite, manteiga, geleia. No retrato de minha infância, por exemplo,  o pão se encaixava sempre: saborear ao máximo a fatia tostada, depois correr brincar no quintal, a vizinha cantando Carole King. Cresci com o costume do pão, felizmente: integral, de centeio, mas também de farinha branca, muitas vezes enfeitado com frutas, outras vezes com nozes, crocante.

O pão?

Certamente facilita o enfrentamento da rotina, o inesperado da vida, quando estamos em casa e no mundo, pois o caminho é tudo. Mais expressivo que tudo é a missão do padeiro, quem nos ajuda a dar graças à Natureza por um pão bem feito.

O padeiro?

Quando falamos em tipos de pão, sentimento de identidade e de região afloram, elementos que estão associados ao afeto, à memória. Em nome dos padeiros, então, lançamos a pergunta sem receio: afinal, que diferença há entre um artista plástico, um poeta, um grande padeiro? Não nos esqueçamos, por exemplo, que, desde o século XVII, os padeiros artesanais na Europa são reconhecidos e admirados pelo alto valor e qualidade de seu trabalho…

Na verdade, há artistas que já nascem bons: assim que vemos uma pintura de Rembrandt exclamamos “quanta beleza!”, exatamente quando vemos uma baguete perfeita, o fruto de um padeiro vocacionado, e, água na boca, de imediato pronunciamos: “maravilhosa!” Como são cheios de delícia seus brioches, seus pãezinhos! Como avivam nossos sentidos esses pequenos momentos de alegria…

O pão é perfeito quando o padeiro tem dom, paixão, disciplina. É ato de amor fazer o pão, oferecê-lo aos outros, inspirando o dever essencial do ser humano: compartilhar – pão, pão, pão…

Quem acompanha o dia a dia de um grande padeiro assiste à vocação desde o primeiro pão: moinhos e farinhas, decifrar a massa madre, medidas e receitas que exigem tempo, concentração e paciência, fornos e competências…  Além disso, com muita frequência, quem vê um padeiro se depara com um cientista testando uma substância, um  técnico controlando a máquina, um escultor alisando a massa clara, modelando a massa escura, absorvido pelo longo instante de solidão e esperança.

Da natureza de um padeiro, o que é mais complexo?

Tudo se passa em torno da fabricação de um pão. Pão de qualidade. Assim, em nome do prazer e da felicidade, celebremos o ofício do padeiro, pois é a vida que importa.


Massa Madre News


CURIOSIDADES

Você sabe fazer o fluxo de caixa da padaria? Veja o passo a passo
Aprenda mais sobre este tema de extrema importância para a saúde financeira da sua padaria.
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

Cardápio de padaria: como montar um perfeito para seus clientes?
Confira dicas de como ter um cardápio incrível e que gere bons resultados.
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

Conheça os 5 principais desafios da indústria de alimentos
Realizar o controle de estoque, padronizar produtos, você sabe quais são os principais desafios da indústria de alimentos atualmente?
Massa Madre Blog

CURIOSIDADES

Guia completo sobre confeitaria industrial
Guia completo para descobrir dicas para realizar a limpeza do local e evitar acidentes de trabalho, além de entender quais são as estratégias de ouro para reduzir os custos do negócio.
Massa Madre Blog